Na sequência de uma parceria estabelecida em 2020 entre o IELT e a Câmara Municipal de Lisboa através do Arquivo Municipal, iniciou-se um programa de investigação que se concentra nos procedimentos técnicos de encadernação e ornamentação do livro e na identificação das oficinas e dos artesãos que historicamente se dedicaram e exercem o ofício na cidade de Lisboa. O projeto Ofícios e Artesãos da Ornamentação e Encadernação do Livro debruça-se igualmente sobre a história da impressão e edição na cidade e suas relações com a atividade noutras geografias, criando uma memória sensorial do livro como objeto de colecção e matéria táctil e olfativa, que se ritualiza e se molda em muitos formatos e géneros. 

Os trabalhos estruturam-se em três tarefas:

1. Registar por meios visuais os ofícios que se encontram associados à produção material do livro, nomeadamente as artes de encadernar e dourar, (a) reconhecer os lugares na geografia urbana de Lisboa onde existiam oficinas de encadernação e douração, (b) inventariar as oficinas existentes, (c) inventariar as formas de trabalhar e o vocabulário técnico e comum empregues, (d) captar narrativas e histórias de vida (ingresso na profissão, carreiras); 

2. Inquirir editores, livreiros, leiloeiros, bibliotecários, artistas e outros agentes que fazem a ponte para a dimensão metafísica, estética e ética do livro;

3. Apreender os formatos que o diversificam e são a expressão do livro como um fenómeno pedagógico e estético dos tempos atuais: o livro-objeto, o livro-de-artista, o livro-arquitetura, além do livro ilustrado, o livro-gráfico, a banda-desenhada ou história aos quadradinhos, etc.

Este projeto pretende gerar um acervo visual sobre o fenómeno atual em torno do Livro, produzindo documentários-vídeo, bem como uma plataforma digital que sistematizará os resultados da investigação (em elaboração). A equipa de trabalho é constituída por membros das instituições envolvidas e encadernadores, sob a direção do investigador Luís Sousa Martins.

Algumas ações recentes: 

A) a organização da Conferência “Os artesãos do livro e o espírito militante”, proferida pela Prof.ª Doutora Beatriz Peralta da Universidad de Oviedo (Colégio Almada Negreiros, Campus de Campolide da Universidade Nova de Lisboa, 19 de abril de 2022);
B) a realização e estreia do documentário vídeo Arte no livro, integrado na programação do Festival 5L, Festival Literário Internacional Literatura e Língua Portuguesa (Biblioteca do Palácio Galveias, 5 de maio de 2022);
C) estreia do documentário vídeo Mãos que costuram e vestem Livros, exibido no âmbito do Festival5L Festival Literário Internacional Literatura e Língua Portuguesa (Livraria Férin, 7 de maio de 2021);
D) preparação do número 20 dos  Cadernos do Arquivo Municipal subordinado ao título “O Livro no seu Tempo: Lugares, Matérias, Formas e Técnicas” e com a coordenação científica de Fernando J. Bouza Álvarez (Universidade Complutense, Madrid), João Luís Lisboa (NOVA FCSH) e Luís Martins (NOVA FCSH), estando a decorrer a chamada para artigos.

Bibliografia recomendada:

Almeida, Inês Leonor Costa, 2012, O Livro de Artista: um meio de exploração criativa, Tese de mestrado em ensino de artes visuais, Universidade de Lisboa.
Baraona, Isabel e Catarina Domingues, 2017, Solar, Offset.
Bodman, Sarah e Tom Snowden, 2010, Manifesto for the Book, Bristol, Impact Press at The Centre for Fine Print, Research University of the West of England.
Castleman, Riva, 1994, A Century of Artists’ Books, New York, MOMA
Castro, Lourdes, 2015, Todos os Livros (Catálogo da Exposição), Lisboa, Sistema Solar Crl., Documenta, Fundação Calouste Gulbenkian.
Drucker, Johanna, 2004, “The Artist’s Books as a Rare and / or Auratic Object”, in The Century of Artists’ Books, New York, Granary Books, 1994, 93-120.
Fróis, João Pedro, 2000, Educação Estética e Artística. Abordagens Transdisciplinares, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Rothenberg, Jerome e Steven Clay, 2000, A Book of the Book: Some Works and Projections about the Book and Writing, New York, Granary Books.
Silveira, Paulo, 2008, As Existências da Narrativa no Livro de Artista, Brasil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
______, 2001, A Pagina Violada: Da ternura a injuria na construçao do livro de artista, Brasil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Stein, Donna, Robert Johnson, Artists’ Books in the Modern Era 1870-2000: The Reva and David Logan Collection of Illustrated Books, London and Fine Arts Museum of San Francisco, Thames and Hudson.
Thompson,  Jason, 2010, Playing With Books: The Art of Upcycling, Deconstructing, and Reimagining the Book, Quarry Books,
AAVV, 1992, O Colóquio sobre o livro antigo, Lisboa 23-25 de Maio de 1988, Actas, V Centenário do livro impresso em Portugal 1487-1987, Lisboa, Biblioteca Nacional.
Academia das Ciências de Lisboa, 1941-42, Bibliografia geral portuguesa; século XV, Lisboa, Imprensa Nacional, 2 vols.
Academia das Ciências de Lisboa, 1983, Bibliografia geral portuguesa; século XVI, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
Alfaro, José, 1994, O jogo das cartas, o lúdico numa antologia epistolar barroca, Lisboa, Quimera.
Almeida, Manuel Lopes de, 1964-1966, “Livros, livreiros, impressores em documentos da Universidade, 1587-1835”, Arquivo de bibliografia portuguesa, vols.10-12, nºs 37/38, (85-154).
Alves, José A. dos Santos, 1992, Ideologia e política na imprensa do exílio. O Portuguez (1814-1826), Lisboa, INIC.
Alves, Ricardo, 1989, “Jornalismo no século XVIII: a Gazeta de Lisboa como fonte histórica”, História, 122, (14-24).
Andrade, António Manuel Lopes, Marias Cristina Carrington (eds.), 2019, Do Manuscrito ao Livro Impresso I, Aveiro / Coimbra, Universidade de Aveiro / Imprensa da Universidade de Coimbra
Anselmo, António J., 1920, “Alguns jornais manuscritos da Biblioteca Nacional”, Anais das Bibliotecas e Arquivos de Portugal, 2ª série, vol.1, (241-3).
______, 1926, Bibliografia das obras impressas em Portugal no século XVI, Lisboa, Biblioteca Nacional.
______, 1978, “Dúvidas e acertos sobre o impressor Gherlinc e o Tratado de Confissom”, Arquivos do Centro Cultural Português, vol. 13, (301-318).
______, 1979-1980, “Incunábulos portugueses em latim”, Humanitas, vol.31-32, (167-196).
______, 1981, Origens da Imprensa em Portugal, Lisboa, INCM. (trad. francesa, 1983, Les origines de l’imprimerie au Portugal, Paris, Jean Touzot).
______, 1987a, “L’activité typographique de Valentim Fernandes au Portugal (1495-1518)” in Actes du XXI Colloque International d’Etudes Hispaniques. L’Humanisme portugais et l’Europe, Paris, Centro Cultural Português, Fundação Calouste Gulbenkian, (781-818).
______, 1987b, “Os primeiros impressores que trabalharam em Portugal”, Revista da Biblioteca Nacional, s.2, 2, nº2, (7-14).
______, 1988, “A tipografia ao serviço do humanismo” in O Humanismo português 1500-1600, 1º Simpósio Nacional, Lisboa, Academia das Ciências, (463-473).
______, 1991, História da Edição em Portugal, vol. 1, Das origens até 1536, Porto, Lello & Irmão.
______, 1992, “Geografia da proto-imprensa cristã em Portugal” in AAVV, O Colóquio sobre o livro antigo, Lisboa 1988, Actas, Lisboa, Biblioteca Nacional, (33-37).
Aranha, Pedro Brito, 1898, A imprensa em Portugal nos séculos XV e XVI: as Ordenações d’El-Rei D.Manuel, Lisboa, Imprensa Nacional.
Araújo, Ana Cristina B., 1990, “Modalidades de leitura das Luzes no tempo de Pombal”, Revista de História, (Porto) vol.10, (105-127).
Araújo, José Rosa de, 1964, “Marcas de papel no século XVII”, Boletim da Academia Portuguesa de Ex.-Libris, vol.9, nº30, (201-204).
Asensio, Eugenio, 1977, “Une découverte bibliographique: Tratado de Confissom (Chaves, 8.VIII.1489)”, Arquivos do Centro Cultural Português, vol. 11, (35-40).
Azevedo, Pedro de, 1910-1914, “João Vosmaer, holandês, livreiro de Lisboa em 1656”, Boletim bibliográfico da Academia das Ciências de Lisboa, s.1, vol.1, nº3, (385-403).
______, 1911, “Uma denúncia em 1614 contra dois livreiros de Lisboa”, Boletim bibliográfico da Academia das Ciências de Lisboa, s.2, vol.1, nº1, Out., (1-14).
Baião, António, 1915, “A Censura literária e a Inquisição no século XVIII”, Boletim da Segunda Classe da Academia das Ciências de Lisboa, vol. 9, (356-379).
______, 1917-1918, “A Censura literária Inquisitorial”, Boletim da Segunda Classe da Academia das Ciências de Lisboa, vol. 12, (473-560).
______, 1958, “O livreiro quinhentista João de Borgonha”, Boletim da Academia das Ciências de Lisboa, nova série, 30, (174-176).
Bastos, Lúcia Maria, 1992, “Comércio de livros e censura de ideias: a actividade dos livreiros franceses no Brasil e a vigilância da Mesa do Desembargo do Paço (1795-1822)”, Ler História, 23, (61-78).
Belchior, Maria de Lourdes, 1971, Os homens e os livros. Séculos XVI e XVII, Lisboa, Verbo.
Belo, Filomena e Manuela Rocha, 1988, “Anatomia do primeiro periódico português”, Claro-escuro, revista de estudos barrocos, 1, (63-75).
Bernardino, Teresa, 1986, Sociedade e atitudes mentais em Portugal (1777-1810), Lisboa, INCM.
Bernstein, Harry, 1978, Pedro Craesbeek & Sons: 17th century publishers to Portugal and Brazil, Amsterdam, Adolf M. Hakkert.
Bloch, Joshua, 1938, “Early hebrew printing in Spain and Portugal”, Bulletin of the New York Public Library, vol. 42, (371-420).
Boisvert, Georges, 1971, “Le Comte de Palmela et la presse Portugaise libre (1816-1820) d’après des documents diplomatiques inédits”, Arquivos do Centro Cultural Português, vol.3, (459-519).
Bonnant, Georges, 1955, “La librairie genevoise au Portugal du XVIe au XVIIIe siècles”, Genava, nº3, (183-200).
______, 1956, “L’imprimerie à Genève du XVe au XVIIIe siècle et le commerce des libraires genevois avec le Portugal”, Arquivo de Bibliografia Portuguesa, ano 2, nº5, (1-16).
______, 1960, “Les libraires du Portugal au XVIIIe siècle vus à travers leurs relations d’affaires avec leurs fournisseurs de Genève, Lausanne et Neuchâtel”, Arquivo de Bibliografia Portuguesa, ano 6, nºs 21-22, (195-200).
Braga, Teófilo, 1892, “As livrarias manuscritas do século XV e a descoberta da imprensa” in História da Universidade de Coimbra e das suas relações com a instrução pública portuguesa, tomo 1, Lisboa, Academia das Ciências, (191-245).
Brito, J. J. Gomes de, 1910-13, “Notícias de livreiros e impressores em Lisboa na segunda metade do século XVI”, Boletim da Sociedade de Bibliófilos Barbosa Machado, vol.1 (65-75; 113-120; 213-227; 281-307) e vol.2 (199-217).
______, 1980, “Livros e livreiros franceses em Lisboa nos fins de setecentos e no primeiro quartel do século XIX”, Anais da Academia Portuguesa de História, II série nº 26, (301-327).
Castro, Ivo, 1977, “A descrição bibliográfica e a conservação do livro” in Actas da Semana de Trabalho sobre a conservação de documentos gráficos, Lisboa, Biblioteca Nacional, (29-49).
Castro, Henrique Tavares e, e Maria Armandina Cruz Maia, 1992, “Produção impressa entre Douro e Minho nos sécs. XVII e XVIII” in AAVV, O Colóquio sobre o livro antigo, Lisboa 1988, Actas, Lisboa, Biblioteca Nacional, (187-205).
Cunha, Margarida, e Manuela D. Domingos, 1994, “Encadernações da ‘Livraria de Duarte de Sousa'”, Revista da Biblioteca Nacional, s.2, vol.9, nº1, (149-161).
Curto, Diogo Ramada, 1996, “Littératures de large diffusion au Portugal (XVIe-XVIIIe siècles)” in Roger Chartier e Hans-Jürgen Lüsebrink (eds.), Littératures populaires et imprimés de large circulation en Europe, XVIe-XIXe siècles, Paris, IMEC.
Dantas, Júlio, 1921, “Os livros em Portugal na Idade Média: 1 – a livraria de Mumadona; 2 – a livraria do Infante Santo”, Anais das bibliotecas e arquivos, série 2, vol. 2, nº5 (2-7) e nº6 (101-109).
Deslandes, Venâncio, [1888] 1988, Documentos para a história da tipografia portuguesa nos séculos XVI e XVII, (introd. de Artur Anselmo), Lisboa, INCM.
Deswarte, Sylvie, 1977, Les enluminures de la Leitura Nova (1504-1552); étude sur la culture artistique au Portugal au temps de l’Humanisme, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian.
Dias, João José Alves, 1994, Iniciação à Bibliofilia, Lisboa, Pró-Associação Portuguesa de Alfarrabistas.
Dias, José S. da Silva, 1963, “O Primeiro rol de livros proibidos”, Biblos, 39, (231-327).
Dinis, Silvio Gabriel, 1959, “Um livreiro em Vila Rica nomeado no séc. XVIII”, Kriterion, Minas Gerais, 47/48, (180-198).
Domingos, Manuela D., 1985, Estudos de Sociologia da Cultura – Livros e leitores do século XIX, Lisboa, IPED.
______, 1989, “Os catálogos de livreiros como fontes de história do livro: o caso dos Reycend”, Revista da Biblioteca Nacional, s.2, vol.4, nº1, (83-102), (repub. in AAVV 1992).
______, 1991, “Colporteurs ou livreiros, Acerca do comércio livreiro em Lisboa 1727-1754”, Revista da Biblioteca Nacional, s.2, vol.6, nº1, (109-142).
______, 1995b, “Mercado livreiro no século XVIII: mecanismos e agentes”, Barata, 35, Ago-Out., (29-43).
Esteves, Rosa, 1984, “Gabinetes de leitura em Portugal no século XIX (1815-1853)”, Revista da Universidade de Aveiro / Letras, 1, (213-235).
Faria, Maria Isabel e Maria da Graça Pericão, 1988, Dicionário do Livro, Lisboa, Guimarães Editores.
Ferreira, Teresa A.S. Duarte, 1992, “O livro impresso e o manuscrito coexistem: o manuscrito permanece”, in Mendes (coord.), Tesouros da Biblioteca Nacional, Lisboa, Inapa, (217-252).
Figueiredo, Violeta Crespo, 1978/79, “Papeis volantes do séc.XVIII”, História 1 a 6.
Fonseca, Martinho da, 1913, “Catálogos. Sua importância bibliográfica”, Boletim da Sociedade de Bibliófilos Barbosa Machado, 2, (89-184).
Freitas, Maria Brak L. B. de, 1944, “Um livreiro-encadernador francês em Portugal”, Boletim cultural da Câmara Municipal do Porto, 7, nº 4, (317-328).
______, 1947, “A Real Irmandade de santa Catarina da corporação dos livreiros e dos seus juízes nobres”, O Instituto, 110, (138-164).
Furtado, José Afonso, 1996, O que é o livro, Lisboa, Difusão Cultural.
Gama, Angela Maria Barcelos da, 1967, “Livreiros, editores e impressores em Lisboa no séc. XVIII”, Arquivo de Bibliografia Portuguesa, ano 13, nºs 49-52, (8-81).
Guedes, Fernanda Maria Silva, 1976, “Lignes de force de l’imprimerie portugaise au XVIe siècle” in Villes d’imprimerie et moulins à papier du XIVe au XVIe siècle (Colloque Spa, 1973), Bruxelles, Crédit Communal de Belgique, (221-238).
Guedes, Fernando, 1987, O Livro e a leitura em Portugal – subsídios para a sua história – séculos XVIII-XIX, Lisboa / S.Paulo, Verbo.
______, 1988, “Lotarias ou rifas de livros no século XVIII”, Revista da Biblioteca Nacional, série 2, vol.3, nº1, ((49-64).
 ______, 1993, Os livreiros em Portugal e as suas Associações desde o Século XV até aos nossos dias, Lisboa, Verbo.
Haebler, Konrad, 1897, The early printers of Spain and Portugal, Londres, Bibliographical Society.
______, 1902, Tipografia ibérica del siglo XV; reproducción en fac-simile de todos los caracteres tipográficos empleados en España y Portugal hasta el año de 1500, Leipzig, Karl W. Hiersemann, (versão francesa, 1902, Typographie ibérique du quinzième siècle).
Iria, Alberto, 1963, “O bibliotecário, o livreiro e o leitor”, Arquivo de Bibliografia Portuguesa, ano 9, nºs 33-36, (58-63).
Lanciani, Giulia e Giuseppe Tavani (org.), 1993, Dicionário da literatura medieval galega e portuguesa, Lisboa, Caminho.
Lavoura, Maria Emília, 1992, “O livro impresso e o manuscrito coexistem: o surto do livro impresso”, in Mendes (coord.), Tesouros da Biblioteca Nacional, Lisboa, Inapa, (176-216).
Lima, Durval Pires de, 1943, Os primeiros livros e livreiros de Lisboa, Lisboa, CML, (na capa 1942).
Lima, Matias, 1933, A encadernação em Portugal (subsídios para a sua história), Gaia, Ed.Pátria.
 ______, 1956, Encadernadores portugueses (nótulas biográficas e críticas), Porto, ed. autor.
Lisboa, João Luís, 1989a, “A leitura em Portugal: os finais do ‘Antigo Regime'” in F.Marques da Costa e outros (org.), Do Antigo Regime ao Liberalismo, 1750-1850, Lisboa, Vega, (78-81).
______, 1989b, “Popular knowledge in the 18th century almanacs”, History of European Ideas, 11, special issue, (509-513).
______, 1993, “O papel da história entre os leitores do século XVIII”, Ler História, 24, (5-15). (resumo inglês em 1992, “The role of history among eighteenth-century readers” in Studies on Voltaire and the Eighteenth Century, 304, Transactions of the Eighth International Congress on the Enlightenment, vol.2, Oxford, Voltaire Foundation, (972-975).
Loff, Maria Isabel, 1967, “Impressores, editores e livreiros no século XVII em Lisboa”, Arquivo de Bibliografia Portuguesa, ano 10-12, nºs 37-48, (49-84).
Macedo, Jorge Borges de, ______, 1975, “Livros impressos em Portugal no século XVI: interesses e formas de mentalidade”, Arquivos do Centro Cultural Português, 9, (183-221).
Martins, José V. de Pina, 1972, “Para a história da cultura portuguesa do Renascimento: a iconografia do livro impresso em Portugal no tempo de Dürer”, Arquivos do Centro Cultural Português, vol. 5, (80-189).
Metelo, Manuel Arnão, 1976, A família Ferin em Portugal: mais de um século de tradição livreira, Braga.
Nascimento, Aires Augusto, 1984, Encadernação medieval portuguesa – Alcobaça, Lisboa.
______, 1990-91, “La reliure médiévale: une forme de relation avec le livre. Fonctionnalité et sens des différences”, Bolletino dell’Istituto Centrale per la Patologia del Libro, 44-45, (263-294).
Nunes, Maria de Fátima, 1987, “Notas sobre o periodismo científico em Portugal: os Annaes das Sciencias, das Artes e das Letras (1818-1822)”, Cultura – História e Filosofia, 7, (661-682).
Peixoto, Jorge, 1957, “Considerações sobre livrarias medievais”, Arquivo de bibliografia portuguesa, 3, 12, (227-237).
______, 1964-1966, “História do livro impresso em Portugal”, Arquivo de bibliografia portuguesa, ano 10-12, nºs 37-48, (1-26).
______, 1965, “Aspectos económicos do livro em Portugal no séc. XVI” in Gutenberg-Jahrbuch 1965, Mainz, Gutenberg-Gesellschaft, (142-149).
______, 1967, “Para a sociologia do fenómeno literário. Gabinete de leitura em Portugal nos começos do século XIX”, O Comércio do Porto, 24/10.
 ______, 1968, “Para um corpus documental do livro impresso em Portugal nos séculos XV e XVI” in Actas do Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros, Coimbra, vol. 5, (225-229).
______, 1969, “Jean de Villeneuve fundidor de tipos em Portugal no séc. XVIII” in Gutenberg-Jahrbuch 1969, Mainz, Gutenberg-Gesellschaft, (24-28).
______, 1970a, António Narciso Pozier, encadernador de Lisboa, que aprendeu o ofício em Paris no primeiro quartel do século XIX”, Arquivos do Centro Cultural Português, vol.2, (457-485).
______, 1970b, Para a história do livro em Portugal, Imprensa da universidade de Coimbra.
Pereira, Isaías da Rosa, 1964-66, “A livraria da Universidade no início do século XVI”, Arquivo de bibliografia portuguesa, 10-12, 37/48, (155-170).
______, 1976, Notas históricas acerca de Índices de livros proibidos e bibliografia sobre a Inquisição, Lisboa.
______, 1985, “Livros, livreiros e impressores na Inquisição de Lisboa nos séculos XVI e XVII” in Miscelânea de Estudos dedicados a Fernando de Melo Moser, Lisboa, FLL, (215-232).
Pimentel, António Filipe, 1989, “Bibliotecas” in José Fernandes Pereira, Dicionário da Arte Barroca em Portugal, Lisboa, Presença, (88-92).
Piwnik, Marie-Hélène, 1979, O Anónimo – Journal portugais du XVIIIe siècle (1752-1754), Paris, Centro Cultural Português, Fundação Calouste Gulbenkian.
______, 1981, “Les souscripteurs espagnols du P.Teodoro de Almeida (1722-1804)”, Bulletin des études portugaises et brésiliennes, tomo 42, (95-119).
______, 1987a, Echanges érudits dans la Péninsule Ibérique (1750-1767), Paris, Centro Cultural Português, Fundação Calouste Gulbenkian.
______, 1987b, “Lectures des élites portugaises au XVIIIe siècle d’après les annonces de librairie” in Actes du Colloque ‘Histoire du Portugal, Histoire Européenne’, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, (163-173).
______, 1989, “Libraires français et espagnols à Lisbonne au XVIIIe siècle” in AAVV, Livres et libraires en Espagne et au Portugal (XVIe-XXe siècles), Paris, CNRS, (81-98).
______, 1991, “Para um estudo sistemático das práticas de leitura no século XVIII em Portugal” in Congresso Internacional Portugal no século XVIII de D. João V à Revolução Francesa, Lisboa, Sociedade Portuguesa de Estudos do século XVIII, Universitária Editora, (75-79).
Pratas, Maria Manuela R.S., e Paula Ferreira Lopes, 1974, “Subsídios bibliográficos para a história do livro em Portugal” in Actas do IV Encontro dos Bibliotecários Arquivistas e Documentalistas Portugueses, Coimbra, Faculdade de Letras, (427-450).
Proença, Raul, e António Joaquim Anselmo, 1920, “Bibliografia dos incunábulos portugueses”, Anais das bibliotecas e arquivos, série 2, vol.1, (186-191).
Ramos, Luís A. de Oliveira, 1973-74, “Da aquisição de livros proibidos nos fins do século XVIII”, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto – História, vol.4, (329-338).
______, 1981, “Os monges e os livros no século XVIII: o exemplo da Biblioteca de Tibães”, Bracara Augusta, vol.35, nº 79-80 / 92-93, (489-499).
______, 1984, “Os beneditinos e a cultura: ressonâncias da ilustração”, Revista da Faculdade de Letras – História, série 2, vol. 1, (159-186).
Rizzini, Carlos, 1946, O livro, o jornal e a tipografia no Brasil, 1500-1822, Rio de Janeiro, Livraria Kosmos.
______, 1957, Hipólito da Costa e o Correio Braziliense, São Paulo, Companhia Editora Nacional.
______, 1968, O jornalismo antes da tipografia…, São Paulo, Companhia Ed. Nacional.
Rodrigues, Graça Almeida, 1980, Breve história da censura literária em Portugal, Lisboa, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa.
Ruas, João, 1995, “A encadernação: a necessidade, o engenho e a arte”, Barata, 35, Ago-Out., (23- 27).
Sampaio, Albino Forjaz de, 1932, A tipografia portuguesa no século XVI, Lisboa, ENP.
Santos, Maria de Lurdes Lima dos, 1985, “As penas de viver da pena: o mercado de livros em Portugal no século XIX”, Análise Social, 3ª série, vol. 21, nº86, (187-227).
Saraiva, José António, 1979, Bertrand, história de uma editora, Lisboa, Bertrand.
Silva, Inocêncio F. da, e Brito Aranha, 1858-1923, Diccionario Bibliographico Portuguez, 23 vols., Lisboa, Imprensa Nacional.
Silva, Maria João Marques da, 1992, “Projecto de levantamento de marcas de água em fundos antigos portugueses. Livros, manuscritos e documentos avulsos” in AAVV, O Colóquio sobre o livro antigo, Lisboa 1988, Actas, Lisboa, Biblioteca Nacional, (221-230).
Soares, Ernesto, 1951, Evolução da gravura de madeira em Portugal, séculos XV a XIX, Lisboa, Câmara Municipal.
______, 1965-66, “Estampadores e impressores”, Boletim da Academia Portuguesa de Ex.-Libris, 2ª série, vol. 10, nº 33, (173-185), nº 34, (258-262), vol.11, nº 35, (43-49), nº36, (106-114).
Viterbo, Sousa, 1916, Calígrafos e iluminadores portugueses: ensaio histórico-bibliográfico, Coimbra, Universidade.
______, 1924, O movimento tipográfico em Portugal no século XVI: apontamentos para a sua história, Coimbra, Universidade.

Projetos Relacionados