Gilbert Durand, l’imaginaire et les neurosciences

O encontro Gilbert Durand, l’imaginaire et les neurosciences realiza-se de 10 a 12 de maio via zoom. O investigador Carlos Carreto apresenta no dia 11 de maio a comunicação Gilbert Durand, Helder Godinho et les sciences du vivant: un dialogue posthume.

Na década de 1960, Gilbert Durand desenvolveu uma concepção global, complexa e transdisciplinar da imaginação, centrada no mito linguístico e nas linguagens visuais. Influenciado por Lévi-Strauss, Durand optou por um “estruturalismo figurativo” em que o significado das imagens, embora enraizado no biológico, era também uma questão de simbolização, mais próxima da psicanálise e de G. Bachelard do que da semiótica.

A imaginação e as suas obras individuais e colectivas são o resultado de uma “viagem antropológica” que se estende desde os fundamentos neurobiológicos até às matrizes dos mitos sociais e religiosos. 50 anos mais tarde, os avanços nas ciências neurológicas e cognitivas permitem-nos dar um novo olhar sobre esta dimensão das concepções. De que forma este novo conhecimento lança luz sobre a imaginação e o imaginário, em que medida converge com as antigas referências de Durand, e que nova antropologia do imaginário podemos ver emergir?

Mais informação aqui.

Sugestões