Jornais / Revistas

CAIS

Nomes

Ana Paula Guimarães

Maio 2012

"Desde há muitos anos..., grave-mesmo-muito-grave é não ter ... nome, isto é, ser uma criança "moura", andar à deriva, à mercê dos diabos caminhando pelo mundo.
 
Logo ao nascer urge, pois, denominar o recém-nascido: dar-lhe um nome que o impeça, em caso de morte prematura, de ir para o limbo, e que o proteja, em caso de vida, contra a vontade das bruxas em lhe sugar o sangue. É também urgente anular a disponibilidade da criança para ser, de noite, levada pelas bruxas. Por isso, antes do baptismo e antes do acto essencial da escolha desse seu 'futuro' nome, a criança receberá, provisoriamente, o nome do Custódio. Assim, acontecerá a protecção, assegurando-se a ligação ao anjo Custódio, o anjo da Guarda, protector contra o diabo. ..."