Almada Negreiros e o Mosteiro da Batalha recebe menção honrosa

A exposição Almada Negreiros e o Mosteiro da Batalha – Quinze pinturas primitivas num retábulo imaginado, que celebra uma ideia ousada e original do artista português Almada Negreiros, comissariada por Simão Palmeirim e Pedro Freitas, recebeu da Associação Portuguesa de Museologia uma menção honrosa atribuída à investigação que resultou na exposição.

As quinze obras que compõem o retábulo que Almada imaginou incluem várias pinturas primitivas (dos séculos XV e XVI), nomeadamente os icónicos Painéis de S. Vicente. Desde a sua descoberta, e ao longo do século XX, estes painéis geraram um interesse público muito intenso. Almada Negreiros também se dedicou a esta obra, ainda que de um ângulo completamente original: o da geometria.

Começando por um estudo de perspetiva dos painéis, Almada foi complexificando as suas análises geométricas. Com o tempo, foi juntando cada vez mais pinturas até definir um retábulo de quinze obras. Após visita à Batalha ficou convicto que o conjunto era destinado à parede Norte da Capela do Fundador, do Mosteiro da Batalha.

Nesta exposição, além da reconstituição em tamanho natural do retábulo que idealizou – uma instalação com mais de dez metros de altura – os trabalhos de Almada expostos na Capela testemunham o seu longo e intenso processo de pesquisa. Desenhos, cadernos de autor, e até maquetes tridimensionais realizadas por Almada, poderão ser vistas, muitas delas pela primeira vez.

A exposição está patente até dia 21 de dezembro na Capela do Fundador do Mosteiro da Batalha.

Sugestões