CFP: Artes de Cura

O objetivo do colóquio Artes de Cura – medicinas tradicionais no século XXI, organizado pelo IELT – FCSH/UNL, é analisar as relações entre as medicinas tradicionais e a saúde. Dirige-se, portanto, a todos os profissionais do ramo e a outros interessados nestas temáticas.

Para o homem tradicional o mundo apresenta uma infinita profusão de perigos iminentes (que o rondam, inquietam e, quantas vezes, aterrorizam). Assim se explica a multiplicidade de práticas terapêuticas desenvolvidas no decurso do tempo.

Longe de serem uma massa informe de ideias sem fundamento, essas práticas terapêuticas resultam de um saber acrónico, acientífico, empírico e assentam numa lógica vivencial feita de entendimentos cósmicos ou telúricos e de analogias mágicas, frequentemente simpáticas. Em suma, pode dizer-se que algumas curas têm uma lógica própria, não experimental, mas experimentada, que não assenta na razão científica mas na analogia homeopática, holística e transcendental, entendendo-se o cosmos como um repositório de energias que fluem e refluem em ignotos campos e dimensões.

Nascido da observação, do acaso ou da necessidade, e aperfeiçoado pela experimentação, o saber ancestral e popular da medicina natural antecede a ciência. De facto, por vezes só passados séculos a validade desses conhecimentos curativos, em geral difundidos oralmente de uma geração para a seguinte, será verificada, vindo esses conhecimentos a ser utilizados em laboratórios científicos. Ao longo dos tempos, foram várias as figuras – algumas do imaginário popular – que encarnaram esse saber: o xamã, os bruxos e as bruxas, as feiticeiras, o curandeiro, entre outros que aliaram as práticas curativas à ritualização, por forma a potenciar a sugestão e a confiança no seu poder curativo.

Quem sabe se sem este saber milenar e este conhecimento empírico da Medicina Popular o ser humano teria sobrevivido até aos nossos dias? Certo é que na nossa sociedade existe actualmente o despertar de um interesse pela naturopatia, pelos tratamentos homeopáticos, em suma, pelas chamadas medicinas alternativas e integrativas. Daí a pertinência deste encontro, para o qual convidamos investigadores e profissionais de todas as áreas, nomeadamente das várias medicinas e práticas terapêuticas.

Possíveis linhas temáticas:
Medicina tradicional ontem e hoje
Saúde e alimentação
Literatura tradicional e medicina popular
História da medicina tradicional
A farmácia e as medicinas
Naturopatia
A magia homeopática
Práticas curativas
O sagrado e a fé nas práticas de cura
Estudos etnográficos e práticas locais
A fraseologia da medicina popular

Envio de propostas (max. 20 linhas) e biografia (max. 200 palavras) até 31 de dezembro de 2015 para o e-mail coloquiomedicina2016@gmail.comAs propostas podem ser submetidas em português, espanhol e inglês.

Calendário:
Call for papers: até 31 de dezembro;
Comunicação dos resultados: 22 de janeiro;
Divulgação do programa: a partir de 1 de fevereiro;

Inscrições:
De 1 a 29 de fevereiro – 70€ para o público em geral e 50€ para estudantes.
A partir de 1 de março – 90€ para o público em geral e 70€ para estudantes. Desempregados isentos (mediamente apresentação do comprovativo)

Comissão Científica:
Ana Paula Guimarães (IELT – FCSH/UNL, Lisboa)
Aurélio Lopes (IELT – FCSH/UNL, Lisboa)
Bruno Barreiros (CHAM – FCSH/UNL, Lisboa)
Fernando Magdalena (Centro de Investigaciones Psicobiofìsicas, Vigo)
Lucília Chacoto (UALG; CLUL; IELT – FCSH/UNL, Lisboa)
Ricardo Themudo Castro (IHC – FCSH/UNL, Lisboa)

Comissão Organizadora:
Anabela Almeida Gonçalves (IELT – FCSH/UNL)
Carolina Vilardouro (IELT – FCSH/UNL)
João Neto (Museu da Farmácia)
Oriana Alves (IELT – FCSH/UNL)
Paula Basso (Museu da Farmácia)

Sugestões