Bruno Garcia e Souza

Doutor pelo programa de História Social da Cultura da PUC-Rio e mestre em Estudos Europeus pela Masarykova Univerzita, em Brno, República Tcheca. Seus interesses se concentram em a assuntos relacionados à história intelectual do mundo contemporâneo, em especial no século XX. Tem se dedicado à pesquisa do género ensaístico e discursos extremistas.

Isabella Gonçalves Vido

Isabella Gonçalves Vido possui doutoramento em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) “Júlio de Mesquita Filho”, onde apresentou a tese Entre antigos e modernos: a teoria da tragédia de Friedrich Schiller. Foi orientada por Karin Volobuef no Brasil e, no período em que foi estudante visitante de doutoramento em Estudos Clássicos na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL-UL), foi coorientada por Teresa Rodrigues Cadete. Interessa-se por teoria literária, estética e literatura do século XVIII.

Carlotta Defenu

Carlotta Defenu é bolseira de Pós-Doutoramento no âmbito do projeto de investigação Modernismo.pt do Instituto de Estudos de Literatura e Tradição da Universidade NOVA de Lisboa. Doutorou-se em Crítica Textual na Universidade de Lisboa com uma tese sobre a génese e a reescrita da poesia ortónima de Fernando Pessoa. Publicou vários artigos e capítulos de livros dedicados a questões de crítica textual, crítica genética e estudos genéticos de tradução, com especial foco na obra de Fernando Pessoa. Recentemente, coorganizou, com João Dionísio e Carlota Pimenta, a exposição “Descubra as Diferenças. Variação na literatura portuguesa desde a Idade Média até anteontem” na Biblioteca Nacional de Portugal.

Tiago Gouveia de Faria

Doutorado em Literatura (2022) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC, Brasil), mestre em Estudos Clássicos (2011) pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FL-UL) e licenciado em Ciências Musicais (2010) pela Universidade NOVA de Lisboa – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (NOVA FCSH) e em Línguas, Literaturas e Culturas (2007) pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FL-UL). Entre 2013 e 2016, foi revisor de textos e chefe da divisão de distribuição e vendas na Editora da Universidade Federal da Grande Dourados (EdUFGD, Brasil). É, desde outubro de 2023, investigador do Instituto de Estudos de Literatura e Tradição (IELT) da NOVA FCSH. É também violonista/guitarrista e compositor.

João Albuquerque

João Albuquerque possui um doutoramento em Hispanic Languages and Literatures (UCLA) e é investigador de pós-doutoramento no Instituto de Estudos de Literatura e Tradição (IELT – NOVA FCSH). Albuquerque integra os grupos de pesquisa do espólio documental Almada Negreiros – Sarah Affonso (CEDANSA) e LITESCAPE.PT – Atlas das Paisagens Literárias de Portugal Continental (IELT – NOVA FCSH). Os seus interesses de investigação são as Literaturas Lusófonas e Hispânicas, História da Arte, Estética, e Filosofia Contemporânea. Ele publicou vários artigos e capítulos de livros com revisão por pares nestes campos de pesquisa no Brasil, em Portugal, no Reino Unido, e nos Estados Unidos da América. Albuquerque é o autor do livro O Estéril Amor Fecundo de Fernando Pessoa (Editora Labirinto, 2022). Em 2020, selecionou e traduziu a antologia de poesia e prosa de Rubén Darío, O Sátiro Surdo (Editora Labirinto). Albuquerque integra o comité editorial da Revista Oresteia desde 2020.

Ana Luísa R. Moreira

Ana Luísa R. Moreira é licenciada em História pela NOVA FCSH (2020-2023) e frequenta atualmente o Mestrado em História com especialização em História Moderna e dos Descobrimentos na mesma instituição. As suas principais áreas de interesse científico são: História do Livro, Paleografia, História Cultural e das Mentalidades modernas e História Social.

Thales Estefani

Thales Estefani (estudante do Doutoramento em Materialidades da Literatura, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra) é atualmente investigador colaborador do IELT. Foi bolseiro nas áreas de estudos literários, tradição e humanidades digitais, no âmbito do projeto VAST: Values Across Space & Time (IELT – NOVA FCSH). É mestre em Artes, Cultura e Linguagens (bolseiro CAPES), pela Universidade Federal de Juiz de Fora (Brasil), e bacharel em Comunicação Social com ênfase em Produção Editorial, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brasil). Foi editor executivo da revista MATLIT: Materialidades da literatura (UC, 2018-2021). Atualmente, colabora também com o “MATLIT LAB: Laboratório de Humanidades” (FLUC) e o Grupo de Pesquisa do CNPq “Literatura e Design de Artefatos para Crianças e Jovens no Mundo Digital” (UFSC). Sua investigação foca-se em temas das artes visuais, narrativas em diferentes media, histórias tradicionais e cultura material. Website: https://thalesestefani.com/

Maria Brás Ferreira

Doutoranda de Estudos Portugueses da NOVA FCSH, com uma bolsa FCT, desenvolve um projecto em torno de Agustina Bessa-Luís e Manoel de Oliveira, a partir do conceito de melancolia. Licenciada e mestre em Estudos Portugueses com a tese “Modos de Cindir para Continuar. Uma leitura de A Noite e o Riso e Estação, de Nuno Bragança”. Publicou dois livros de poesia, Hidrogénio (Flan de Tal, 2020) e Rasura (Fresca, 2021). Recebeu uma bolsa de criação literária da DGLAB. É editora da revista Lote.

Manuela Parreira da Silva

Professora reformada da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa, onde lecionou nas áreas da Literatura e Cultura Portuguesa do século XX, Estudos Pessoanos e Estudos do Modernismo. O seu trabalho de investigação tem incidido sobre o espólio de Fernando Pessoa, tendo publicado diversas edições e dado a conhecer muitos dos seus textos inéditos. Outra área da sua investigação prende-se com o estudo dos conceitos de tradição e modernidade e das relações entre tradição e modernidade nos autores modernistas, tentando, deste modo, fazer a ponte entre a literatura moderna e contemporânea e a literatura tradicional. Tem publicado alguns artigos nesta área. Colabora também no projeto Modernismo online – espólio de Almada Negreiros e Sara Afonso. [Produção científica do investigador]

João Cruz

Licenciado em Filosofia na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Na mesma instituição, obteve o grau de mestre em Filosofia Geral com a dissertação Acerca do riso em Baudelaire: um problema de tradução entre sujeito e vida, e é doutorando em Filosofia, onde procura desenvolver o seu projeto O problema da quotidianidade no Livro do Desassossego de Fernando Pessoa. Em 2021, ganhou o prémio de mérito e excelência de melhor mestre.